Pessoalidades

Parabéns, Papi!

Papi, que alegria celebrar seu aniversário mais um ano!
Agradeço todos os dias sua existência e honro você. Graças a sua vida, o Teus existe, eu existo e Quim existe. Pelas suas escolhas – as de caso pensado e aquelas de caso “nem tão pensado assim” (rs), nossas existências e realidades se fizeram e se fazem possíveis nesse mundo, nesse plano, nesse momento da história… Já pensou?

Graças a você, chamei e chamo a Vó Nenê de minha avó. Chamo o Tio Marcelo de meu tio (e padrinho!). Chamo meus primos de meus… E mais um montão de pessoas e relações que compartilhamos.

Reconheço sua influência em todo canto meu – inclusive a considero demasiada em alguns “departamentos mais específicos”.

Por exemplo, no meu jeitinho fortemente sistemático em organizar as compras no carrinho do supermercado – e aí do Felipe, se na distração, deixar de encaixar o saco de arroz no espacinho que deixei ali, separadinho pra isso.

Sem falar na minha super “habilidade emocional” de ir do zero ao cem em milésimos de segundo, quando fico nervosa (às vezes por motivos mais justificados, às vezes por motivos absolutamente descabidos e racionalmente inexistentes ?).

Ah! Também aprendi a desenvolver uma certa, digamos, capacidade retórica, que me faz querer “ganhar” toda e qualquer discussão. Aqui é entrar pra ganhar! Mas ganhar o quê, Ana Carolina? É… Boa pergunta! Ó céus…

Olha Gordi, não é fácil ser eu não, viu?

Já melhorei muito (agradecimentos especiais às minhas terapeutas e ao tempo! ?), mas Deus tá vendo o esforço mental que ainda preciso empregar para não “comprar brigas” – mais mentais, porém homéricas – com o mundo (com a televisão, com o rádio, comentaristas, motoristas, vizinhos, taxistas, políticos, nas redes sociais, com meus irmãos, com você, com o Papa, com minha mãe, meus professores, meus amigos, meus analistas, meus colegas da universidade, etc., etc., etc. – sendo que na imensa maioria das vezes nem é comigo que essas pessoas todas estão falando! ??‍♀️).

E veja, não estou me referindo aqui àquela retórica dos sofistas, viu? Estou falando da crítica de Platão e Aristóteles. Não basta ser um orador eficaz! É preciso mais! É preciso que a boa argumentação esteja sustentada na verdade, sem rejeição ou relativização da realidade; sem que se resuma o universo pelos fenômenos! Não vale se apoiar em argumentos bonitos, mas torpes. Nem apresentar soluções simplistas para o que é complexo, só porque é o que desejam ouvir.

Há que se ter compromisso político – e não politiquês!.

Aí, Pai, tá vendo?
Fiz de novo!
Comecei a argumentar sozinha, comigo mesma, enquanto meu desejo é (era) tão somente escrever uma mensagem de aniversário pra você. Ainda bem que terapia amanhã…

Brincadeirinhas verdadeiras à parte, retomemos o assunto importante, a pauta especial do dia: VOCÊ e sua nova idade.

Gordi, te desejo as melhores coisas dessa vida! Você sabe, não é?

Que seu caminho permaneça iluminado, especialmente nos dias nublados e nas noites sem dormir – as quais também compartilho por “herança”, devido ao sono frequentemente leve e à boa e velha cabeça “quente”, naturalmente mais inquieta e preocupada.

Que todo bem te alcance na caminhada de mais uma volta em torno do Sol. Que tenha saúde física, mental e espiritual para seguir construindo sua trajetória em mais um ano, novinho em folha, que está começando pra você.

Que possamos continuar celebrando suas conquistas, das mais íntimas às mais transbordantes.

Que esteja sempre sob a proteção e luz Divinas. Que os olhos Daqueles que te guardam sigam atentos e vigilantes. Que você lembre-se todos os dias de também ouvir a voz do coração. Que não te faltem as potentes inspirações da evolução.

Que seu caráter e dignidade sigam prevalentes e fortes. Que a humildade que carrega no peito nunca silencie. Que a simplicidade tão sua, permaneça em você.

Que siga preservando o respeito que possui com tudo o que é vivo – humano ou não. Que siga lapidando amorosamente tudo aquilo que reconhece como adverso em si.

Que se acolha diante dos erros e falhas, aceitando a humanidade de que somos feitos. Que saiba se perdoar, no exercício constante de também perdoar os outros.
Que encontre justiça e serenidade em suas decisões, e que em todas elas o bem prevaleça.

Feliz aniversário, meu Pai.

Feliz vida!
Com amor.

0

Uma terapeuta ocupacional, que escreve para (tentar!) entender o (seu) mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.