Pessoalidades

Meu bordado preferido

O caco de vidro reluz,

Caco de vida cheio de sol.

No cotidiano recompor-se,

A linha que borda a existência

Afrouxa e enrijece,

Sustentando a vida

Vivida e inventada.

Uma manhã de domingo,

O sorriso da minha Avó

Forte força.

Seu dom de estrela: amor celeste

Sustentação.

Do caco de vidro ao caco de vida mais bonito, feito da beleza dela.

Meu bordado preferido.


*Nota de 2019:

Compartilhei esse textinho um dia após a segunda cirurgia da Vó Nenê. As palavras foram me ocorrendo com leveza, força e gratidão, enquanto voltava pra casa de ônibus. Vó Nenê pediu que tirasse seus brincos e sua aliança, e que os guardasse comigo. Nada mais foi dito. Eu sorri. Fiz com muito amor e medo. Ela ficou paradinha, esperando que tirasse o brinco de uma orelha e depois da outra. Então, ajudei a tirar do dedo gordinho, sua aliança. Ficamos em silêncio. Foi breve e infinito. Tive a benção de devolver tudo no mesmo dia. Os brincos e a aliança seguiram enfeitando minha avó. E ela seguiu enfeitando minha vida, em vida. Agora, a vida que foi dela – e nossa – enfeita todas as memórias doces e felizes. Enfeita meu coração. O tempo engole o que não vivemos. Ela não veio me ver em São Paulo, não fez os docinhos do meu casamento. Também não vai conhecer pessoalmente um filho meu – se um dia tiver um… Sei que lutou para ficar mais um pouco. Honro seu desejo pela vida e toda sua trajetória. Agradeço por me ensinar a estar forte e lúcida, a resistir. Também reconheço com gratidão o início do meu aprendizado sobre despedidas. Permanecemos unidas naquilo que temos de mais valioso: o amor de neta e avó. Te amo pra sempre.

0

Uma terapeuta ocupacional, que escreve para (tentar!) entender o (seu) mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.